SEJA BEM VINDO

O Portal Buriti agradece sua visita. Volte Sempre.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

MARANHÃO - CASO DÉCIO SÁ - EX - DONO DA COCA COLA DE SANTA INÊS TERIA SIDO O MANDANTE DO ASSASSINATO DO JORNALISTA DÉCIO SÁ


Jornalista Décio Sá foi assassinado por uma quadrilha formada pelos agiotas Gláucio Pontes e seu pai, conhecido por Miranda, que também executaram o “empresário” Fábio Brasil, em Teresina (PI).
 
A polícia também já prendeu o homem conhecido por Júnior Bolinha, ex-dono da representação da Coca-Cola em Santa Inês e atualmente representante da Cerpa,  que teria sido o responsável pelo agenciamento do pistoleiro, preso na semana passada.
 
Segundo as investigações, Décio entrou na mira de Gláucio quando começou a denunciar em seu blog as ações de agiotas no Maranhão. Como fachada para seu negócio de empréstimo, o agiota mantinha empresas de fornecimento de material escolar e medicamentos, o que lhe
gaqrantia proteção de políticos – deputados e prefeitos – e até membros da polícia e do Judiciário.
 
A morte de Fábio Brasil
A trama remete a outubro do ano passado. Naquele mês, o agiota recebeu um pistoleiro que lhe contou ter sido contratado para executá-lo por Fábio Brasil – ou Júnior Brasil, como era conhecido.
 
Motivo: Brasil lhe devia R$ 200 mil e não tinha como pagar. Como saída, resolveu matá-lo, oferecendo R$ 100 mil ao pistoleiro. Morte de Fábio Brasil teria levado à execução de Décio
 
Como não pagou o executor, o bandido procurou Gláucio, oferecendo o serviço pelo mesmo valor.
 
Tudo está registrado em uma ocorrência policial investigada pela polícia. Neste boletim, o “empresário” diz ter recusado o serviço”, mas, segundo a polícia contou a história para que Júnior Bolinha resolvesse.
 
Meses depois, Fábio Brasil foi morto em praça pública, em Teresina. Décio Sá publicou a notícia e, depois, foi informado de que o mandante seria Gláucio. (Leia aqui a notícia da morte de Brasil) Morte de Fábio Brasil teria levado à de Décio
 
Jornalistas e agiotas
Há informações de que Gláucio e Décio Sá teriam se reunido – juntamente com outros jornalistas – ocasião em que o agiota teria dito que o autor do crime contra Fábio Brasil seria, na verdade, Júnior Bolinha, que o estaria chantageando para resolver o valor da execução.
 
Neste meio tempo – por intermédio de um homem conhecido por Buchecha, Bolinha já havia alugado uma casa no Parque Vitória e trazido dois homens do Pará.
 
A princípio, a dupla faria um sequestro do pai de Gláucio, o Miranda – também preso hoje – como forma de pressionar o comparsa a pagar os R$ 100 mil pela morte de Brasil.


Mas Bolinha acabou informado – provavelmente pelo próprio Gláucio - de que Décio Sá sabia de mais e aproveitou os bandidos do Pará para executar o jornalista antes da publicação da matéria.
 
Rixa antiga
Bolinha já nutria ódio mortal de Décio Sá desde 2009, quando o jornalista publicou matéria do seu envolvimento em roubo de veículos – ele chegou a ser preso, em operação da Polícia Federal, com um trator roubado em sua propriedade, em Santa Inês.
 
Nesta mesma ocasião, Gláucio conseguiu escapar da prisão por causa da interferência de um policial amigo, que o avisou da ação da PF.
 
Por conta da notícia de prisão publicada no blog de Décio, Bolinha perdeu a bandeira da Coca-Cola, que representava em Santa Inês. Segundo as investigações, resolveu então que “não deixaria Décio destruir sua vida mais uma vez”, com a revelação da morte de Fábio Brasil.
 
Mansão no Calhau
Para matar Décio, Bolinha contou com a ajuda do próprio Gláucio na empreitada, segundo a investigação.
 
A polícia descobriu que o empresário-agiota mantinha uma casa no Calhau, a menos de 500 metros da área por onde os assassinos de Décio Sá empreenderam fuga. A casa servia apenas de escritório particular e depósito de material escolar.
 
A polícia entende que os bandidos se deslocaram para lá na noite do crime, o que impossibilitou a captura, já que não estavam nas ruas.
 
Com os depoimentos de Valdêmio José da Silva e a prisão de um dos executores, a polícia montou as últimas peças do quebra-cabeça, resultando na prisão dos mandantes nesta manhã.
 
E assim, elucidou o assassinato do jornalista…
  
Matador de Décio Sá está preso há cinco dias…
 
Décio: assassinato elucidado...
Foi graças à prisão do assassino do jornalista Décio Sá, em Belém, na quinta-feira passada, que a polícia maranhense elucidou o crime, ocorrido em 23 de abril.
 
O bandido aceitou a oferta da delação premiada – que garante a ele benefícios legais no julgamento do caso – e contou quem o contratou, valor e motivos que levaram à morte do jornalista.
 
A linha de investigação adotada pela polícia é exatamente aquela já anunciada em vários posts deste blog. Um destes posts foi publicado em 25 de maio, sob o título “O afunilamento da linha de investigação do caso Décio”. 
 
O próprio Valdêmio José da Silva, assassinado ontem, tem a ver com a execução do jornalista, que também passa pela morte do agiota Fábio Brasil, em Teresina, no mês de março.
Como o crime envolve gente poderosa, este blog tem convicção de que a pressão incansável que exerceu pela elucidação do caso – muitas vezes com duras críticas à linha de ação da polícia - também evitou o caminho do esquecimento.
 
Neste momento, equipes da Secretaria de Segurança cumprem mandados de prisão dos mandantes – são vários, reunidos em um consórcio.

Entre os procurados há empresários e políticos…(Todas as informações são do blog do Marco D’Eça na internet)

Jornal AGORA Santa Inês


Nenhum comentário:

Postar um comentário